queixa crime e açao no tribunal administrativo contra a cobardia do comando da GNR

Publié le par FACE OBSCURA DA LEI

Ilustre advogado do responsavel deste blog, a seu pedido, prepara queixa por denuncia caluniosa e uma açao no Tribunal Administrativo contra Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana.

 

Para mim este comandantezeco, foi mais um cobarde ao escutar o MP de Cantanhede que era representado na época pelo Carlos Diogo, até fui declarado injustamente contumaz neste processo 345/08.1TACNT por esses cabroes, que por falta de competencia nao sabiam como me notificar. 

Depois para suspender os prazos declararam-me contumaz! 

 

O Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana foi tao cobarde que nem sequer teve a coragem de se apresentar em sala de audiencia.

 

Para o ignorante do parasita do Valdemar ou 'Valdemerda do meu vizinho' informo que se às vezes nao me apresento é porque resido no estrangeiro e tenho todo o direito de assistir às audiencias por video conferencia, sendo arguido, assistente, autor, réu ou até testemunha. 

 

 

Fernando Sérgio

 

....................................................................................................................................

 

Lisboa, 22 de Janeiro de 2012

 

                                               Exmº Senhor

Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana

 

Com Conhecimento:

A Sua Excelência o Senhor Ministro da Administração  Interna

 

Assunto: Pedido de indemnização de 250.000,00 €.

N/Refª: Proc. 345/08.1TACNT , 1º Juízo do Tribunal Judicial de Cantanhede – Fernando Sérgio Gomes Lopes

 

Senhor General

 

A GNR participou criminalmente do meu cliente Sr. Fernando Sérgio Gomes Lopes, o que deu lugar ao processo acima referido.

O meu cliente foi absolvido.

Em boa verdade a queixa da GNR não tem qualquer fundamento jurídico , pois o meu cliente nenhum crime cometeu, nada tendo feito que exercido o seu direito de queixa e exercido o direito de liberdade de expressão e de opinião.

O Sr. Fernando Sérgio Gomes Lopes é apenas mais um emigrante português que tem financiado o Estado Português , que afinal é um país paupérrimo.

A queixa da GNR causou-lhe prejuízos, sofrimentos, vergonhas que a GNR tem de pagar.

A GNR não é o Estado edeve indemnizar o meu cliente.

Por isso, o meu cliente exige o pagamento de 250.000,00 € de indemnização – valor simbólico mas que a miséria que é Portugal o impede de exigir mais – que a GNR deve pagar.

Se a GNR não pagar no prazo de 8 dias após o recebimento desta carta que vai ser enviada via fax, dará entrada no Tribunal Administrativo competente a devida acção e no Ministério Público queixa crime por denuncia caluniosa.

Como V. Exª , Senhor General por certo sabe, o meu cliente quando diz que faz faz e levará o assunto até ás mais altas instâncias.

Pelo que lhe solicito que no prazo de 8 dias me informe da posição da GNR , para se decidir o que há que fazer.

Até porque a GNR e o Estado Português sabem que os emigrantes hoje estão cada vez mais unidos para não enviarem dinheiro para Portugal, tão graves são as ofensas que lhe são feitas, posições que têm sido tornadas públicas.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

 

                                                        O advogado

Commenter cet article